link

Bolsa de Valores de Moçambique encomenda estudo para entender a razão da fraca adesão de empresas

6 Jul, 2017 – 4:31 pm

Afinal, o facto de os bancos serem os únicos intermediários do mercado de capitais pode estar entre as razões para a fraca adesão de empresas à Bolsa de Valores de Moçambique. A conclusão é de um estudo preliminar encomendado pela Bolsa de Valores de Moçambique à USAID, que aponta os bancos como concorrentes à Bolsa. O estudo, apresentado na tarde desta quarta-feira em Maputo, foi encomendado pela Bolsa de Valores de Moçambique e procura perceber o conjunto de razões que atrasam o seu desenvolvimento, visto que apesar do elevado crescimento económico, a uma média de 7% em duas décadas, e de estar no mercado há 18 anos, apenas seis empresas estão cotadas.

De acordo com o economista Hipólito Hamela, consultor no referido estudo, a conclusão principal do estudo é que a BVM tem como operadores de mercado de capitais os seus próprios concorrentes, isto é, os intermediários do mercado de capitais são os bancos. E estes não têm nenhum interesse em convidar uma pessoa que esteja com excesso de liquidez e com interesse de comprar acções a fazer um depósito a prazo nesse banco. “Nem sabes quanto é que te vai pagar a Cervejas de Moçambique, nem sabes quanto é que te vai pagar a Companhia Moçambicana de Hidrocarbonetos ou outra empresa, mas eu garanto-te agora, limpos, 22% (da taxa de juro passiva pelos depósitos de excesso de liquidez)”, disse Hamela referindo-se aos bancos a dirigirem-se a quem pretenda investir em bolsa.

Hamela explicou também que no caso das empresas cotadas em bolsa pretenderem expandir negócios com recurso à abertura de capital a novos accionistas, os bancos podem, desonestamente, convidá-las a contrair crédito.

Mas há outras razões relacionadas com a contabilidade organizada e de transparência e o problema cultural. “Há alguém que me perguntou o seguinte: se a minha empresa é lucrativa, por que vou abrir 20% dela para dividir lucro com outros?”, Exemplificou Hamela.

O presidente da Bolsa, Salim Valá, explicou que com o estudo encomendado, à USAID pretende torná-la num instrumento de referência que contribua para melhorar os modestos indicadores globais de estabilidade económica de Moçambique, com foco no alargamento dos instrumentos para financiar a actividade produtiva das empresas, no geral, e das Pequenas e Médias Empresas (PME), em particular.

Já o sector privado, através do presidente da Confederação das Associações Económicas (CTA), disposto a mobilizar empresas a capitalizarem-se em bolsa, espera que o estudo traga subsídios que permitam eliminar os obstáculos.

O estudo foi apresentado perante representantes de organizações empresariais, entre as quais a Confederação das Associações Económicas, CTA, e teve como consultores o especialista norte-americano em mercados de capitais, John Thompson, e o economista moçambicano Hipólito Hamela.

In Jornal O Pais, 06 de Julho de 2017

USAID_SPEED+ Stock Exchange Presentation 2017-07-05 rev1


Share this post:  facebooktwittergoogle_pluslinkedinfacebooktwittergoogle_pluslinkedin

Leave a Reply

The information provided on this Web site is not official U.S. Government information and does not represent the views or positions of the U.S. Agency for International Development or the U.S. Government. This website is made possible by the support of the American People through the United States Agency for International Development (USAID.) The contents of this website are the sole responsibility of Nathan Associates Inc. and do not necessarily reflect the views of USAID or the United States Government

Quick Links:
Terms of Use
Privacy Policy
Site Map
Contact Us
Facebook


Share this post:  facebooktwittergoogle_pluslinkedinfacebooktwittergoogle_pluslinkedin