link

  • Alô Discos! (isto é, Empresas de Distribuição de Eletricidade)

    19 Jan, 2018 – 12:24 pm

    Se quiserem ganhar mais dinheiro, considerem oferecer aos seus clientes mais do que apenas eletricidade

    Por Power Africa

    A Power Africa é uma iniciativa do governo dos EUA liderada pela Agência dos EUA para o Desenvolvimento Internacional (USAID) que visa duplicar o acesso à eletricidade na África Subsaariana. A iniciativa tem sido muito bem-sucedida ao permitir que pessoas tenham eletricidade fora da rede – lanternas solares, sistemas domésticos solares, micro- redes, etc. Contudo é fundamental trabalhar-se em conjunto para obter mais pessoas ligadas à rede de forma comercialmente viável porque simplesmente não é recomendável investir US $ 1.200 ligando uma pessoa à uma rede que alimenta algumas lâmpadas e carregar o telefone celular.

    Photo Power Africa DiscoConforme relatado recentemente pela revista The Economist, “Produzir mais energia pode gerar poucos efeitos se as pessoas não estiverem dispostas ou forem incapazes de pagar por isso. . . . [Kenya Power] disse que quase [um milhão] de clientes que estão ligados à rede não compram energia”.

    Observam-se alguns aspectos sobre como o mercado da eletricidade evoluiu em África. Ou seja: as pessoas querem mais do que apenas uma ligação eléctrica, e até mesmo os clientes de baixa renda estão dispostos a pagar pela energia, desde que seja nos seus próprios termos.

    As empresas que fabricam sistemas domésticos solares descobriram isso, e é por isso que eles estão crescendo rapidamente, adicionando milhares de novos clientes por mês. As empresas de telefonia móvel também descobriram isso, razão pela qual as pessoas geralmente conseguem telefones celulares “grátis” em troca de contratos de longo prazo.

    Estes clientes da Mobisol sabiam que poderiam gerar mais renda de sua loja de alfaiate com a iluminação fornecida por um sistema doméstico solar.

    Estes clientes da Mobisol sabiam que poderiam gerar mais renda de sua loja de alfaiate com a iluminação fornecida por um sistema doméstico solar.

    A maioria das empresas tradicionais de distribuição e venda de energia eléctrica (“Discos”) na África Subsaariana, que oferecem serviços de rede, continuam com problemas financeiros. O primeiro motivo é que, em muitos países, os governos, às vezes por razões políticas e às vezes para reduzir o custo de produção das empresas, não estão permitindo que as Discos cobram aos clientes o custo real da energia – uma situação desvantajosa para qualquer negócio. Em segundo lugar, muitos clientes se recusam a pagar ou não estão sendo cobrados o suficiente pela electricidade porque não possuem contadores elétricos que determinam exactamente o nível do consumo. Em alguns casos, os “clientes” criam sua própria “ligação” de uma maneira muito perigosa que resulta em muitas electrocussões a cada ano.

    A Power África está a trabalhar com Discos e governos para evitar essas questões e registam-se sinais de progresso. Em uma Disco na Nigéria, por exemplo, ajudamos a reduzir as perdas de 54% para 40%, somando milhões de dólares aos cofres da Disco para que ela pudesse investir em manutenção e expansão.

    Leia a versão original e completa aqui:

    https://medium.com/power-africa/hey-discos-that-is-electricity-distribution-companies-f0d124f562f4


    Share this post:  facebooktwittergoogle_pluslinkedinfacebooktwittergoogle_pluslinkedin

    Leave a Reply

    The information provided on this Web site is not official U.S. Government information and does not represent the views or positions of the U.S. Agency for International Development or the U.S. Government. This website is made possible by the support of the American People through the United States Agency for International Development (USAID.) The contents of this website are the sole responsibility of Nathan Associates Inc. and do not necessarily reflect the views of USAID or the United States Government

    Quick Links:
    Terms of Use
    Privacy Policy
    Site Map
    Contact Us
    Facebook


    Share this post:  facebooktwittergoogle_pluslinkedinfacebooktwittergoogle_pluslinkedin